25 maio 2007

Quando perdemos alguém que amamos!

A morte é algo extremamente doloroso. Mesmo quando alguém morre em Cristo, e nisto temos a certeza de que nos veremos novamente no futuro, o consolo na dor somente vem do Senhor. Nem por isso a separação física se torna menos angustiante. O Rev. Nelson Lautert declarou que "a morte é sempre uma intervenção radical na vida, algo antinatural, que faz parar, que confronta a pessoa com a sua própria história e a coloca nua diante do seu Criador" (Revista Ultimato, jan-fev, 1999, p. 17). A pedagogia da morte nos ensina que: "o SENHOR nos deu, o SENHOR nos tomou; bendito seja o nome do SENHOR"(Jó 1:21b). Por isso, abrace, beije e dê flores, troque presentes e crie momentos que se tornarão em memoriais para todos. O pregador de Eclesiastes afirma enfaticamente que esta vida é tão passageira e, às vezes, não nos damos conta disso (Ec 3:20).

Perder é muito mais do que morrer. A morte é uma separação física, entretanto, a amargura e a inimizade produzem uma separação de relacionamentos. A ausência do abandono deixa um vazio insubstituível. A pior perda num relacionamento é quando perdemos o coração de quem se ama. Mas, infelizmente, algumas pessoas somente valorizam quando não têm mais. Mas, o perdão e o restruturar do relacionamento, cheios da misericórdia de Deus, podem restaurar o amor. Esta é a única perca que pode ser restituída. Entretanto, ela começa com humildade e arrependimento, e por fim produz felicidade e vida abundante.

Outra forma dolorosa de se perder alguém que amamos é pela enfermidade. Sabemos histórias de pessoas que desenvolveram enfermidades mentais que lhes anularam a personalidade. Conta-se que num hospital um jovem enfermeiro começou a perceber uma assídua visita de um senhor idoso. Então, o enfermeiro abordou o senhor e lhe perguntou quem ele tanto zelosamente ia ver todos os dias. A resposta daquele homem foi: "minha esposa". "O que ela tem", questionou o enfermeiro. Simpático, o senhor respondeu: "mal de alzaimer" (*uma doença que produz esquecimento). Admirado o enfermeiro insiste, e pergunta: "porque o senhor vem vê-la todos os dias se ela não se lembra de quem o senhor é?" A experiência havia capacitado o idoso a responder com sabedoria: "meu jovem, eu amo a minha esposa, mesmo que ela não se lembre disto. Entretanto, não procuro mais o reconhecimento da minha dedicação por ela, mas demonstrar a minha gratidão por ela. Não a amo por causa da sua limitação mental, mas sofro por causa disto; porém, a amo por tudo o que ela foi, e fez e significa para mim! Ela não é um peso em minha vida. Venho todos os dias porque sinto saudades dela, mesmo estando ao seu lado. Quando jovem, prometi que estaria ao seu lado até que a morte nos separasse."

3 comentários:

Anônimo disse...

A 02 de Junho do corrente ano, fará quatro anos que o sorriso de quem tanto amei só o posso rever em sonhos. É doloroso demais relembrar a sua partida...é sempre um espaço vazio. Recordação foi o que restou...Seguimos a nossa vida, mas o "medo" está sempre à espera na próxima esquina...
Tudo se pode superar...Esquecer jamais!

Marildina Brasil disse...

Sabe,,,tenho alguem muito especial em minha vida, que esta muito doente com cancer de pulmao e os medicos ja nao podem fazer mais nada,,,todos os dias serao dentro de mim uma doce lembrança,,,é dificil acreditar que alguem que me conhece tanto qto a mim mesma ... ja esta se despedindo,acredito na grandeza do amor de Deus em nossas vidas pois é a ele que servimos e vai a Ele todas as nossas limitaçoes,,,qdo saio de la e digo Tchau minha velhinha amanha eu volto aqui,,,fica com Deus...verdade Perder é muito maior do que Morrer!

ALESSANDRA VEIGA disse...

Eu queria saber por que perdemos as pessoas que gostamos seja na morte , no coracao, na amizade enfim e nao podemos voltar atras para consertar os erros .